top of page

"Rei dos Votos" ameaça Wladimir

O deputado estadual Thiago Rangel, vencedor de duas eleições seguidas, almeja a prefeitura de Campos. E declara ao Verdades com a Ana: é oposição a Garotinho.


"O Rei dos Votos". Assim é conhecido o deputado estadual campista Thiago Rangel, do Podemos. E ele, realmente, tem motivos para justificar o apelido no meio político. A vida pública é recente. Começou em 2018, quando foi candidato a vereador pela primeira vez. Ninguém esperava que ele chegasse lá. "Acharam que iria fazer 800 votos, para completar a legenda de outros candidatos", relembrou o deputado no Verdades com a Ana, o podcast da jornalista Ana Paula Mendes, que mergulha na política do Rio de Janeiro. Na época, Thiago Rangel foi eleito com mais de 2 mil votos, desbancando candidatos conhecidos da política de Campos. Dois anos depois, voou mais alto. Poucos acreditavam, em 2020, que Rangel conseguiria chegar à Alerj. E não é que ele surpreendeu novamente? "Me disseram que conseguiria uns 10 mil votos, para preparar o caminho para minha reeleição como vereador. Mas venci para deputado com mais de 20 mil votos", disse Thiago Rangel.


Agora, esse "fenômeno de votos" declarou, oficialmente, ao Verdades com a Ana, que pretende disputar a prefeitura de Campos no ano que vem. Uma pedra no sapato e tanto para o prefeito Wladimir Garotinho, do PSD, que previa uma briga pela reeleição mais tranquila. Wladimir foi entrevistado pelo Verdades com a Ana no episódio 2 do programa, onde anunciou a pré-candidatura para 2024.


"Deputado, logo de cara, né? Verdades. O senhor é pré-candidato à prefeitura de Campos", perguntou Ana Paula Mendes. "A gente está avaliando o cenário, mas tenho uma tendência muito grande de ser candidato. Eu vou muito pelo sentimento do eleitor. Se o eleitor, o povo entender, que é necessário que eu saia candidato para ocupar outro protagonismo, eu seria candidato. Fato é que hoje, o meu nome está sim à disposição para ser prefeito da cidade", disse. Arnaldo Neto, que também participa do Verdades com a Ana, questionou o deputado sobre o partido que deve apoiar a candidatura dele à prefeitura. Thiago Rangel disse que deve deixar o Podemos e ir para o União Brasil, de Rodrigo Bacellar, atual presidente da Alerj. "O Wladimir esteve aqui e disse que Rodrigo Bacellar teria garantido a ele que não teria candidatos em Campos", disse Arnaldo. Thiago Rangel disse que só irá para o União Brasil se receber o apoio do partido para disputar a prefeitura. "Eu acho muito prematuro a fala do Wladimir relacionada à questão partidária do União", alfinetou Rangel.


E as alfinetadas não pararam por aí. Thiago Rangel se declarou oposição a Wladimir Garotinho. E garantiu que não foi eleito pelo apoio do atual prefeito de Campos. "O Wladimir deu o aval para eu disputar a eleição para vereador no grupo dele. Mas não quer dizer que foi apoio político. Apoio político é colocar a mão nas minhas costas e dizer: esse é meu candidato", disse Thiago Rangel. Ana Paula Mendes e Arnaldo questionaram se não houve apoio em nenhuma candidatura dele e o deputado disse que não. "Não é o que ele sustenta", disse Arnaldo sobre Wladimir. "Faz parte", disse o deputado.


A falta de apoio político somou-se ao que o deputado chama de desconstrução da imagem dele por parte de Wladimir Garotinho. "Existe uma certa resistência, por exemplo, por parte do próprio Wladimir e isso é fala aberta, que todas as visitas que eu faço ao governo do estado, ainda como deputado estadual, depois ele vem para tentar desconstruir esse pedido que eu tenha feito para a cidade", disse Thiago Rangel. E ele continuou. "Por exemplo, eu fui na secretaria de Saúde do estado e pedi recursos para Campos dos Goytacazes e São Francisco de Itabapoana. No outro dia, o prefeito (Wladimir) estava falando que não poderia me atender, porque ele era do PP e esse protagonismo viria, não poderia ir para mim. Então existem essas disputas", desabafou o deputado. "O Wladimir me identifica como o principal adversário dele hoje", provocou.


Thiago trouxe ainda no discurso o argumento de que Campos não tem vivido grandes realizações na gestão de Garotinho. "São pequenas realizações e muito barulho", continuou alfinetando. E criticou a falta de infraestrutura em localidades como a Baixada Campista. O tom de oposição também ganhou força ao citar nomes da política do norte do estado que também estariam na contramão dos planos de reeleição de Garotinho. "Caio Vianna, Carla Machado, Bruno Vianna e Frederico Barbosa", declarou Rangel.


Voltando às discussões sobre a pré-candidatura, Thiago Rangel garantiu que tem o desconhecimento do eleitor sobre o seu nome como a principal arma para vencer as eleições, caso seja mesmo candidato. Ele diz que fez uma pesquisa que apontou 80% de desconhecimento em relação ao nome dele. E acredita que, com a campanha e o eleitor conhecendo a história dele, teria chances de ocupar o executivo. "Acredito que fragmentando a eleição em Campos dos Goytacazes, terá segundo turno. É impossível não ter segundo turno. Já fiz essas contas e é impossível não ter segundo turno. Com a campanha do Caio, com a campanha do Dr. Jeferson, com a minha candidatura, com a candidatura de outros candidatos que podem surgir ainda, menores", declarou o deputado.


Ana Paula Mendes questionou Thiago Rangel sobre a pouca experiência política dele. E se o eleitor verá de forma positiva o fato dele não ter terminado o primeiro mandato de vereador ao ser eleito deputado estadual. E caso vença a eleição para prefeito, terá que deixar o mandato de deputado também pela metade. Fato que ele não considera negativo. "Você acha que essa experiência pode ser suficiente, essa trajetória, ser suficiente para sentar numa cadeira do executivo? Da cidade de Campos, que é a maior que a gente tem no interior do Rio de Janeiro?", perguntou Ana Paula Mendes. "Acho que sim, porque o que contribui também é que eu sou gestor. Antes de ser político, sou gestor de uma rede de postos de gasolina, tenho uma empresa que eu administro. E você administrar o próprio negócio e ter sucesso no próprio negócio, isso dá uma credibilidade com o eleitor, para você controlar a finança e administrar o município.


Thiago Rangel diz que é um daqueles que venceram na vida. O pai era mecânico industrial e ele foi criado em Guarus, o subdistrito de Campos mais populoso, onde moram muitas famílias de baixa renda e onde o crime organizado, como tráfico de drogas, se instalou. Mas ele superou as dificuldades e ganhou destaque no setor privado de venda de combustíveis. Agora difícil, é conciliar a vida de político no Rio, de empresário e de pai de família. Thiago Rangel tem dois filhos. O caçula tem quase dois anos. Já a filha mais velha, de 17, já avisou que vai seguir os caminhos políticos do pai e deve ser candidata à Câmara de Vereadores nas eleições do ano que vem.


Se teremos pai e filha candidatos no ano que vem, as negociações nos dirão logo, logo. Mas, independentemente ou não da candidatura de Rangel, Wladimir Garotinho já tem mais um adversário político assumido. E a até então tranquila eleição em Campos ganhou mais emoção. O Verdades com a Ana continua acompanhando tudo.



O deputado estadual Thiago Rangel, um campeão de votos em Campos, surpreende e diz ao Verdades com a Ana que é oposição a Wladimir Garotinho e deve vir como candidato a prefeito no ano que vem. Um banho de água fria nos planos de Garotinho, que previa uma disputa tranquila pela reeleição. No 12º episódio, o Verdades com a Ana volta a discutir o já acirrado período pré-eleitoral na maior cidade do interior do Rio.



2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page